segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Quando o Pai Foi Embora...

Ontem, 9 de Dezembro,  poderia ter sido um domingo triste, pois há 6 anos, meu Pai partia deste plano, para tropear no plano eterno. Sei que São Pedro tinha planos para ele e que alguma tropa havia desgarrado da estância grande do céu.
A ausência de um Pai é um espaço que fica e a gente não tem ideia de o quanto ela faz falta. Faz falta na hora do mate, num bordonear de milonga, numa canção que se escreve e que falta o crivo dele para, sempre dizer que está linda, embora não seja para tanto. Falta o abraço, o sorriso franco, o olhar terno, o elogio sincero, a bronca... falta tudo, quando falta um Pai.
Mas sei que "ele" está e estará sempre comigo e quando penso no campo, é a imagem dele que me vem à cabeça... quando penso na vida é sua vida que imagino... quando penso no futuro é ser igual ao senhor que quero ser.
Pois Pai é isso, é um pedaço da gente que envelhece, que parte e que nos deixa, para que a saudade se adone de um coração e faça com que estejamos sempre na eterna busca de sua imagem pelos sonhos mundanos.
De tudo fica a certeza, que a morte não é o fim e sim um começo de uma vida nova, muito melhor, mais cheia de vida, e que se alguém vai antes é para construir um rancho onde todos nos encontraremos e continuaremos os plenos traçados neste plano. 
Além da saudade, fica a certeza que Deus sempre nos dá o MELHOR PAI DO MUNDO e foi por isso que nunca chorei a sua ausência, porque na verdade, ninguém morre quando vive num coração.
Ontem, 9 de Dezembro, poderia ter sido um domingo triste, pois há 6 anos, meu Pai partia deste plano, para tropear no plano eterno. Sei que São Pedro tinha planos para ele e que alguma tropa havia desgarrado da estância grande do céu.
A ausência de um Pai é um espaço que fica e a gente não tem ideia de o quanto ela faz falta. Faz falta na hora do mate, num bordonear de milonga, numa canção que se escreve e que falta o crivo dele para, sempre dizer que está linda, embora não seja para tanto. Falta o abraço, o sorriso franco, o olhar terno, o elogio sincero, a bronca... falta tudo, quando falta um Pai.
Mas sei que "ele" está e estará sempre comigo e quando penso no campo, é a imagem dele que me vem à cabeça... quando penso na vida é sua vida que imagino... quando penso no futuro é ser igual ao senhor que quero ser.
Pois Pai é isso, é um pedaço da gente que envelhece, que parte e que nos deixa, para que a saudade se adone de um coração e faça com que estejamos sempre na eterna busca de sua imagem pelos sonhos mundanos.
De tudo fica a certeza, que a morte não é o fim e sim um começo de uma vida nova, muito melhor, mais cheia de vida, e que se alguém vai antes é para construir um rancho onde todos nos encontraremos e continuaremos os plenos traçados neste plano. 
Além da saudade, fica a certeza que Deus sempre nos dá o MELHOR PAI DO MUNDO e foi por isso que nunca chorei a sua ausência, porque na verdade, ninguém morre quando vive num coração.


Quando o Pai foi embora!
Paulo Ricardo Costa

Eu era muito pequeno,
Mas me lembro bem...
Quando o Pai foi embora;
Era uma manhã fria...
A geada branqueava os campos,
E o vento gemia entre as paredes...
Fumaceadas de um galpão;
O sol não veio naquele dia...
- Mas vieram muitas pessoas!

O velho cusquinho coleira...
Que todos as manhãs se enrolava,
Entre as botas do meu Pai,
Choramingava no silêncio do galpão;
O zaino velho da encilha,
Costeava as cercas do potreiro,
Talvez sentindo a falta dos bastos,
Talvez sentindo a ausência do amigo...

Meu Pai dormia sobre uma mesa,
Bem ali na sala da frente...
Com a sua roupa mais bonita;
Vi as mulheres chorando...
Vi minha Mãe chorando,
E as pessoas que chegavam,
Todas iam ver o meu Pai,

Na minha inocência de criança,
Não sabia o porquê!
Lembro quando a Mãe me disse:
Que o Papai foi embora,
Pois, agora ele é uma estrela,
Que brilha lá no céu...
Ele fora fazer uma casa nova,
E que um dia viria nos buscar!

Aquele dia foi muito triste!
Veio muita gente ver meu Pai...
Depois todo mundo foi embora,
E nós ficamos lá sozinhos;
Muitas vezes vi Mamãe chorando,
Muitas vezes vi Mamãe rezando,
E me ensinou em suas preces,
Falar com o meu Pai;

Contou-me várias estórias:
Das pessoas que viram anjos.
Como nascem as estrelas.
E que há um céu muito lindo,
Com muitas flores...e pássaros,
Onde um dia iremos nos encontrar,
Para seguirmos juntos a mesma vida;

Eu tinha muita saudade de meu Pai!
Mas não queria chorar...
Para não ver a minha Mãe triste;
Uma noite, quando dormi...
Meu Pai veio me visitar;
Tinha uma roupa muito branca,
Um sorriso largo...
Uma luz brilhante.
Levou-me pela mão por campos lindos,
Sangas, rios, flores, pássaros...
Tudo que minha Mãe tinha me contado;

Tinha um cavalo igual ao zaino velho,
E cusquinho coleira e brincalhão,
Que nem o que nós tínhamos aqui;
Sentamos numas pedras grandes,
Lá na costa de uma sanga...
E ele me contou coisas que nunca
Tinha falado antes;

Me deu beijos e abraços...
Porque antes Papai não abraçava...
Caminhamos por longas estradas...
Conversamos como dois amigos,
Eu ouvia atentamente seus conselhos,
Coisas que meu Pai nunca...
Tivera tempo de fazer;

Mostrou-me o lugar onde morava,
E muitas pessoas que ali estavam...
Depois de algum tempo...
Ele me deu um beijo...
E se foi caminhando tão longe,
Deixando-me ali chorando,
Chamando por meu Pai...

Então acordei...
Com os olhos encharcados de lágrimas...
Sufocado no meu berço de criança;
Nunca falei isso para ninguém...
Daquele noite em diante...
Muitas vezes encontrei o meu Pai,
Sempre o mesmo sorriso...
E as doces palavras que
Me soavam como conselhos,
Os braços abertos num afago de amigo,
A mão, sem calos... e aquela luz
Iluminando os meus passos;

Nunca mais fui para baixo da mesa,
Chamar por ele...
Como eu fazia nos momentos de solidão;
Ou nas vezes em que ele tropeava,
Ficando dias longe da gente;
Nunca mais reclamei da sua ausência,
Pois entendi que há algo maior...
E que uma vida não acaba,
Quando o Pai vai embora;

Pois até hoje, pelo vento,
Escuto o seu assobio mostrando-me,
Que ainda está junto de mim,
Caminhando do meu lado...
Como nos meus sonhos,
E iluminando os meus dias,
Com aquela luz tão branca,
Tão alva...
Que só os anjos podem ter.

Cresci como crescem os meninos,
Tentando seguir os passos de seu Pai...
Muita gente não compreendia...
Quando ensinei outro cusquinho coleira,
A se enrolar nos meu pés...
E soltei o zaino velho para
Morrer num fundo de campo;

Nunca mais eu perguntei,
Porque um Pai vai embora?
Desde o dia em que compreendi,
Que os Pais são anjos...
Que Deus coloca ao nosso lado,
Para nos guiar pelas estradas da vida,
Sempre na busca do bem!
Sempre no caminho mais leve,
E que nos sustenta nas hora da dor;

Compreendi também,
Que um Pai não morre...
Apenas parte pra um mundo novo,
Porque aqui onde vivemos,
A vida não dá tempo,
Para um carinho de Pai e Filho!

FIM

Sem comentários:

Publicar um comentário