BIOGRAFIA

              Poeta, escritor, compositor, nascido lá na Vista Alegre - 5ª distrito de São Francisco de Assis. Começou muito cedo a gostar da Tradição e das coisas do campo, seu Pai, Don Ney Moreira, dos um dos fundadores  o CTG Tropeiro das Missões, na Vila Kraemer – distrito de São Francisco de Assis.
     Uma infância voltada para a  lida campeira, fez de escola para um aprendizado cultural. A juventude no Grêmio Estudantil da Escola Senador Salgado Filho e posteriormente no Departamento Cultural do CTG Negrinho do Pastoreio, somaram para que hoje, pudesse navegar nesse mar de poesias, cantos e versos.
         No ano de 1993 foi o idealizador e criador da Querência do Bugio, festival que orgulha não só a Capital Mundial do Bugio, São Chico de Assis, bem como a Pátria Grande do Sul, pois é o resgate de um ritmo que muito orgulha os Gaúchos, por ser o único ritmo criado nessas plagas e com certeza teria que ser nesse chão pesado de História.
         Membro da Estância da Poesia Crioula e do Galpão da Poesia Crioula, vem se destacando no âmbito dos festivais, tanto musicais quanto, de arte poética declamatória, com participação em quase que todos os festivais de poesia do Rio Grande do Sul e premiação em diversos deles, além de ser um dos criadores da Tertúlia da Poesia de Santa Maria.
        No Palco dos festivais musicais, com participação em mais de uma centena deles e com premiação em dezenas de festivais, desde os mais importantes como Tafona da Canção, Moenda da Canção, Ronda de São Pedro, Ronco do Bugio, Carijo da Canção, Viola de Todos os Cantos, Querência do Bugio, Festival da Musica Crioula, Grito do Nativismo, Recoluta de Guaiba, Gauderiada da Canção entre tantos outros.
       Com músicas gravadas pelos Palcos do Rio Grande do Sul, com grupo de bailes como: Os Serranos, Os Monarcas, Porca Véia, Walter Morais, Grupo Floreio, Edson Vargas e Grupo Galope do Mouro, Grupo Cordiona, Tchê Sarandeio, karaguatá, Ases do Fandango, Grupo Baile Gaúcho, Fandangaço e tantos outros.
        "O Palco dos festivais muito tem me ensinado, principalmente a respeitar o canto, o verso, a melodia e acima de tudo os artistas que dão vida aos poemas, aos quais sou eternamente grato. Com quase 300 músicas gravadas por inúmeros artistas riograndenses, sendo muitas delas regravações, fato que me conforta e alegra, pois é visto que o trabalho da gente vem por um rumo certo. Faço desse legado um aprendizado para cada dia mais, melhorar e aprimorar o conhecimento, o saber e a vida, visto que essa tríade é que me faz trilhar por esse caminho".
       Em 2010 venceu o Maior Festival do Brasil, a VIOLA DE TODOS OS CANTOS em São Paulo, com a música EU E O JOÃO DE BARRO, na bela voz de Arison e Emerson, música essa que ja tem diversas gravações.

          “QUEM LUTA POR SEUS IDAEAIS NÃO MORRE NO ESQUECIMENTO”